Rua Pedro Veiga

Pedro Veiga (5/5/1910-13/07/1987)Escritor e Publicista. Pedro Veiga nasceu em Moimenta da Beira e morreu no Porto, onde viveu desde a infância. Estudou em Coimbra e Lisboa tendo-se licenciado em Direito e em Letras, tendo sido convidado pelo Cardeal Cerejeira, Professor de Letras, para seu assistente, o que declinou. Foi em Coimbra que organizou e foi cabeça de prova das revoltadas e agitadas movimentações e greves académicas que o forçaram a transitar por duas vezes para a Universidade de Direito de Lisboa. Tirou também o curso de Ciências Pedagógicas. Chegou a exercer o professorado no Ensino Liceal e Técnico no Porto, Guimarães, Santarém e Lisboa. Foi excluído, por razões políticas, do cargo, a que concorreu, de director da Biblioteca Municipal do Porto. Chegou a ser Agente do Ministério Público. Exerceu a advocacia também no Porto. Tudo isso abandonou para se dedicar aos livros e à actividade literária, suas paixões de toda a vida. Personalidade interveniente da vida politica nacional, sobretudo como oposicionista ao regime salazarista, foi também fundador de alguns movimentos ideológicos e cívicos mais significativos e relevantes no combate à ditadura, tais como o Movimento da Renovação Democrática, para o qual viria ser eleito secretário geral, e o Movimento dos independentes, em prol da conciliação Nacional( 1953). Participou como dirigente da Renovação Democrática na campanha eleitoral de 1945; foi apoiante da ditadura de Norton de Matos à Presidência da República, redigindo muitos dos manifestos vindos a público, ao mesmo tempo que intervinha em comícios. (...)Ainda estudante publicou Legendário de Quimeras, sobre a vida académica coimbrã. Foi autor de vários trabalhos de feição didáctica e de um estudo sobre as cortes de Lamego intitulado As Cortes Lendárias de Almacave. Sob o pseudónimo de ' Petrus ', deixou vastíssima obra literária a que dedicou a maior da sua vida em intenso e esgotante trabalho de investigação, espraiada em dezenas de títulos. Foi ainda um incansável publicista, inteiramente à sua custa.(...)Deixou, manuscritos, textos destinados a oito volumes das suas 'Memórias ', políticas literárias e culturais, ainda inéditos e que uma Universidade americana pensou publicar. Também deixou vários textos, manuscritos e não dactilografados, destinados a publicações, atados por cordéis e guardados em caixas de cartão e de sapatos.Era possuidor de uma biblioteca colossal que ele tratava com maior desvelo e afeição.Pelo seu singular temperamento e modo de ser aliado a um peculiar estilo de vida era um excêntrico e um extravagante conhecido pela sua figura original a percorrer as ruas do Porto, com que ele tanto se identificava, sempre com um grande saco de mão a abarrotar de livros, manuscritos e papeis.