Rua De João Martins Branco

João Martins Branco - Este arruamento começa na Rua Guerra Junqueiro, junto ao nº 340, Houve, em tempos idos, um caminho ou serventia rural, que fazia a ligação entre a rua de Guerra Junqueiro, junto à sinagoga, e zona do Campo Alegre, nas proximidades da antiga Fábrica de Tecidos do Campo Alegre. Nos anos oitenta, essa serventia, com a construção do grupo de moradias da Associação de Moradores da Zona do Campo Alegre, na Rua de Guerra Junqueiro, foi alargada e ganhou jus ao estatuto de rua. Era preciso um nome para ela e foi a referida Associação de Moradores que sugeriu o de João Martins Branco - um democrata que desde muito jovem se bateu em defesa da Liberdade e que pagou com a vida o ter lutado por tão nobre ideal. Nas vésperas das comemorações do 1º de Maio de 1931, ainda estudante, João Martins Branco participou, com mais de 400 colegas, numa reunião estudantil, que se realizou nas instalações da antiga Faculdade de Medicina, em frente ao Hospital de Santo António. O encontro foi interrompido pela polícia política da época que carregou sobre os estudantes. João Martins Branco participou, com mais 400 colegas, numa reunião estudantil, que se realizou nas instalações da antiga Faculdade de Medicina, em frente ao Hospital de Santo António. O encontro foi interrompido pela polícia política da época que carregou sobre os estudantes. João Martins Branco, foi gravemente ferido e não resistiu à gravidade dos ferimentos vindo a falecer. O seu funeral, realizado no dia 30 de Abril, daquele ano, constitui uma das mais impressionantes manifestações de patriotismo e de civismo jamais vistas na cidade do Porto. ( Germano Silva - Arquivo da Toponímia )