Rua De Soeiro Pereira Gomes

Joaquim Soeiro Pereira Gomes (1909-1949). Figura marcante do movimento neo-realista, Soeiro Pereira Gomes morreu na clandestinidade como militante do PCP. Fez o curso de regente agrícola e, após uma breve passagem por África, instalou-se em Alhandra, como empregado da fábrica de cimentos Tejo, tendo tido um papel relevante na greve de 1944. Publicou vários textos no semanário 'O Diabo' e, em 1941, o romance «Esteiros». Símbolo maior da sensibilidade neo-realista portuguesa, retrata as peripécias de um grupo de crianças e as suas difíceis condições de vida e foi dedicado pelo autor aos 'filhos dos homens que nunca foram meninos'. Póstumos são o romance «Engrenagem» e os volumes de contos «Refúgio Perdido» e «Contos Vermelhos». ( Fonte desconhecida - Arquivo da Toponímia ).